Escritório de instituição financeira em São Paulo, por Dante Della Manna Arquitetura | aU - Arquitetura e Urbanismo

Interiores

Escritório de instituição financeira em São Paulo, por Dante Della Manna Arquitetura

POR: SIMONE SAYEGH FOTOS: DANIEL DUCCI
Edição 264 - Março/2016

Dante Della Manna Arquitetura . São Paulo, SP . 2015

O projeto dos arquitetos Dante Della Manna e Antonio Mantovani para uma instituição financeira na capital paulista partiu da necessidade básica de readequação eficiente dos espaços. A empresa ocupava dois andares em outro edifício e quis unificar especialidades em uma só laje para intensificar operações e integrar funcionários. A nova implantação, além de resolver espacialmente áreas de trabalho, privilegiou recepção e atendimento com desenho, materiais, volumes e texturas que revelam um desejo arquitetônico que se sobrepõe às simples exigências logísticas ou técnicas.

O novo escritório ocupa um andar inteiro de um edifício de destaque em uma grande avenida da zona Sul de São Paulo. Com envoltória envidraçada e core central, a planta se divide em duas zonas: atendimento e área de trabalho. Logo na entrada, a recepção tira partido da própria arquitetura do edifício. A fachada curva é espelhada na forma de um grande painel de ripas de madeira natural, que divide espaços e enquadra o balcão da recepção. Posicionado em um movimento contrário ao painel, o balcão reveste-se de couro branco e seu volume parece flutuar sobre o piso de mármore. O desenho é completado por uma parede formada por placas de MDF laqueadas em diferentes tons de cinza e unidas por sutis frisos de aço inox, que guardam um grande monitor. O mesmo aço rasga o painel de madeira com o logotipo da empresa. O conjunto é sóbrio e elegante, a luz é discreta e cênica, e o movimento, textura e material das partes estimulam os sentidos na medida certa.

O mármore do piso - white bamboo com placas de 1 m x 1 m - caminha para dentro dos espaços, recobrindo o corredor das salas de presidência e de reuniões, e a área de encontros. Esse salão multiuso constitui local de consumo, reunião informal e encontros, e dispõe de mobiliário contemporâneo com toque vintage/industrial, quase uma releitura de um interior residencial: luminárias pendentes, mesa de madeira, poltronas italianas e inserções de objetos de arte. Do lado oposto, uma nova curva, desta vez de gesso acartonado revestido de madeira, convida à entrada ao setor de atendimento mais restrito. As salas apresentam divisória de vidro jateado com esquadrias de madeira laqueada piso teto, executadas sob medida, com um estratégico recuo junto ao forro que esconde uma fita de iluminação. Pelas exigências de privacidade e de acústica foram especificados vidros duplos para as esquadrias, painéis de tecido nas paredes internas das salas e carpete no piso. A sutileza dos detalhes, a textura da madeira e a sofisticação do laqueado - foram cerca de nove demãos de tinta - marcam os ambientes dessa porção do escritório.

Conteúdo exclusivo para leitores
cadastrados ou assinantes da revista aU - Arquitetura e Urbanismo

Ainda não é um assinante PINI?
Escolha uma das opções abaixo e faça já sua assinatura.