Arquiteto, designer, cenógrafo, Felippe Crescenti é o retrato perfeito da formação interdisciplinar da FAUUSP e há quase 40 anos carrega consigo ensinamentos de mestres como Eduardo Almeida | aU - Arquitetura e Urbanismo

Entrevista

Arquiteto, designer, cenógrafo, Felippe Crescenti é o retrato perfeito da formação interdisciplinar da FAUUSP e há quase 40 anos carrega consigo ensinamentos de mestres como Eduardo Almeida

Gustavo Curcio
Edição 280 - Julho/2017
Ronaldo Aguiar

Roupa suja se lava em casa. Numa conversa descontraída, Felippe Crescenti falou sobre o legado da formação ímpar da FAU-USP, marcada, segundo ele, por uma 'superficialidade típica do modelo interdisciplinar'. O arquiteto que acumula premiações nos mais variados segmentos do trabalho criativo - cenógrafo teatral e cinematográfico, expositor, designer e arquiteto - assina projetos icônicos como a megaloja da Tok&Stok na Marginal PInheiros, em São Paulo, e o Bar Astor, na boêmia Vila Madalena, também na capital paulista.

'Generoso na composição de seus cenários efêmeros para o teatro, as festas e os eventos - em que explora com ousadia os brilhos, os contrastes, as cores e a diversidade de materiais -, o arquiteto Felippe Crescenti vai se distanciar tanto da exuberância e da dramaticidade dos recursos cênicos quanto das sisudas lições da sua escola brutalista de origem' (Cecília Rodrigues Santos, 'Exercícios de cenografia e projeto', introdução do livro Felippe Crescenti, publicado em 2015).

Crítico da pasteurização e do uso indiscriminado das ferramentas digitais - não é avesso, mas defende um traço limpo focado na função -, ele chama de barroco digital o resultado do projeto adereçado e kitsch que toma conta das prateleiras, inclusive de marcas reconhecidas pela forma.

Conteúdo exclusivo para assinantes da revista aU - Arquitetura e Urbanismo

Outras opções



Destaques da Loja Pini
Aplicativos