Projeto acessível e compacto ganha concurso de conjunto habitacional | aU - Arquitetura e Urbanismo

Agenda

Notícias

Projeto acessível e compacto ganha concurso de conjunto habitacional

O trabalho de Leandro Sasse busca otimizar os espaços e possui unidades adaptadas a portadores de necessidades especiais

Luísa Cortés, do Portal PINIweb
11/Outubro/2016

Na segunda-feira (10) foram divulgados pela Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Federal (CODHAB) os vencedores do concurso nacional de projetos de arquitetura e complementares de unidades habitacionais coletivas na Quadra 700 de Sol Nascente, na Região Administrativa de Ceilândia, em Brasília (DF).

Leandro Sasse, de Blumenau (SC), ficou em primeiro lugar na competição. O projeto elaborado por ele, possui três volumes soltos e um único eixo de circulação vertical, localizado no centro da edificação. Estas características servem para otimizar os acessos e garantir mais espaço para a instalação de um elevador. Os volumes retangulares e

estreitos dinamizam a circulação horizontal, bem como melhoram a iluminação e ventilação natural do conjunto.

Os módulos são compactos e propiciam a densidade demográfica do local, além de reduzir os gastos de implementação do projeto. São 22 unidades habitacionais, todas com acessibilidade.

Dentro das unidades, os locais de longa permanência estão voltados para o exterior da edificação, o que garante maior incidência de luz natural e privacidade. Os ambientes de serviço, por sua vez, ficam no interior do edifício, juntamente com as instalações hidráulicas.

As medidas tomadas para garantir a sustentabilidade da construção estão resumidas na utilização de sistemas modulares e pré-fabricados, visando diminuir a quantidade de resíduos gerados na obra, concentração das áreas molhadas e instalações em uma única parede hidráulica.

Também haverá cisternas para armazenar a água da chuva, central de coleta seletiva e um bicicletário. Uma área verde combinada a um paisagismo proposto faz parte do projeto, com a finalidade de criar um microclima local, com espaços de integração sombreado, reduzindo as temperaturas.

Premiação

O segundo lugar da competição ficou para o projeto feito por Carlos Eduardo Murgel Miller, de São Paulo, e o terceiro para o projeto de Felipe Guimarães, do Rio de Janeiro. Na ocasião, os participantes Vinicius Mazzoni, Frederico André Rabelo, Diego Santana Costa, Adriana Regina Biella Prado Belleza, Danilo da Silva Barbosa e Ricardo Felipe Gonçalves receberam menção honrosa por sua participação.

A premiação para a primeira colocação foi de R$ 545.479,39, enquanto as demais receberam R$ 30 mil cada. Compuseram a comissão julgadora: Ruben Carlos Otero Márquez (selecionado pelo Edital de Concorrência 01/2016), Nonato Veloso (IAB/DF), Roberto Simon (CAU/BR), Luiz Eduardo Sarmento Araújo (CODHAB/DF) e Raul Gradim (SEGETH/DF).

Os aspectos considerados pelo júri abrangeram: conceito e inovação; adequação às normas; clareza, funcionalidade e atendimento ao programa de necessidades; sustentabilidade socioambiental, exequibilidade, economia e viabilidade técnico-construtiva; soluções passivas de conforto térmico e eficiência energética; contextualização urbana; acessibilidade; inclusão e adequação social; aspectos plásticos, éticos e estéticos.



Destaques da Loja Pini
Aplicativos