Proposta do Sidonio Porto Arquitetos Associados é escolhida para parques em Águas Claras, no Distrito Federal | aU - Arquitetura e Urbanismo

Urbanismo

Notícias

Proposta do Sidonio Porto Arquitetos Associados é escolhida para parques em Águas Claras, no Distrito Federal

Escritório paulista concorreu com mais de 50 projetos de todo o País

Gabrielle Vaz, do Portal PINIweb
24/Abril/2017

Na última sexta-feira (21), a comissão julgadora se reuniu no Brasília Palace Hotel, em Brasília, para escolher o escritório Sidonio Porto Arquitetos Associados como o vencedor do Concurso Nacional de Projetos de Arquitetura e Paisagismo para os Parques Central e Sul de Águas Claras, no Distrito Federal. Os arquitetos paulistas, representados por Lucia Toffolo de Macedo Porto, concorreram com mais de 50 propostas de todo o País.

O projeto deveria atender critérios arquitetônicos, urbanísticos, ambientais e paisagísticos, propiciando interação social, atividades e eventos culturais esportivos e infraestrutura adequada para a realização de comércio de pequeno porte.

O júri destacou na proposta ganhadora o desenho marcante e estruturador dos espaços, além de conduzir a uma sintonia com traçado urbano. “O partido para os Parques Central e Sul de Águas Claras é definido prioritariamente, pela via destinada a pedestres e ciclistas, a qual liga a Estação A. Claras do Metrô, a oeste, ao Parque Ecológico A. Claras, ao norte, e ainda, a mesma estação ao Parque Sul através de duas alamedas”, explica o memorial descritivo do proejto.

O Parque Central é composto por sete áreas: Área 1, que abriga o Horto Botânico; Área 2, onde está localizada a pista de skate; Área 3, que é a principal do parque concentrando as atividades com maior demanda de público e o conjunto administrativo, a biblioteca e o teatro de arena; Área 4, onde fica a Praça dos Arcos, destinado ao encontro de pessoas; Área 5, onde está localizada a “Unidade de Recuperação e Soltura da Avifauna do Cerrado”; Área 6, que concentra o circuito de ginástica inclusiva, as quadras esportivas, lanchonete e uma pista de bicicletas; e a Área 7, rodeada pelo bosque florestal, contém estacionamento, equipamentos para idosos e espaço pet.

Já o Parque Sul é composto por pistas para pedestres e ciclistas separadas por uma faixa verde de largura variável, pistas de patinação e quadra de vôlei de areia. Do eixo partem os acessos que conduzem aos espaços de estar.

"Os edifícios que comporão o programa de necessidades foram pensados para fazer um contraponto com as áreas verdes e de lazer por sua geometria e pelo contraste formal com o entorno arquitetônico local", explicam os arquitetos. Todos serão construídos com painéis pré-moldados.

Em segundo lugar ficou o projeto do Roberto Zocchio Torresan, também de São Paulo, que propôs, de acordo com o júri, tratamento paisagístico na escala do pedestre e apresentou soluções eficientes de drenagem, continuidade do sistema cicloviário e massa arbórea como elemento estruturante do projeto. O terceiro lugar, por fim, foi para a proposta de João Gabriel De Moura Cordeiro, do Estúdio 41, de Curitiba, que, conforme o júri, atendeu a ideia de criar um programa complexo por meio de uma linguagem paisagística integradora.

Receberam menção honrosa: Eduardo Henrique Faria Barra, do Rio de Janeiro, que ressaltou todo o entorno da área do parque; André Luiz Prado de Oliveira, de Belo Horizonte, que valorizou linhas que integram e estruturam equipamentos; e Vitor Jun Takahashi, de Santo André, em São Paulo, que considerou os aspectos hídricos do local e procurou inserir o parque em um contexto urbano.

Os prêmios estão avaliados em R$ 50 mil, R$ 30 mil e R$ 20 mil para o primeiro, segundo e terceiro colocados, respectivamente, além da contratação do ganhador para a elaboração dos demais projetos complementares, que têm valor estimado em R$ 1,8 milhão. A competição foi promovida pela Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap) e o Departamento do Distrito Federal - Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB/DF).